A place so full of mystery is just a puzzle to be solved
 
InícioCalendárioFAQBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 Quarto do Maxwell

Ir em baixo 
Ir à página : Anterior  1, 2, 3 ... 10, 11, 12, 13  Seguinte
AutorMensagem
Nymeria Lindberg
Estudante
Estudante
avatar

Mensagens : 244
Data de inscrição : 26/09/2017
Idade : 18
Localização : Windfall

Ficha do personagem
HP:
100/100  (100/100)
Itens: Espada

MensagemAssunto: Re: Quarto do Maxwell   Ter Jul 03, 2018 12:38 pm

- Isso é bom, de certa forma... construir sua independência. Meu pai... - Edrik fez uma pausa longa, bebendo dessa vez um grande gole de sua caneca. - Costuma ser bastante rigoroso.

"Rigoroso" não descrevia perfeitamente Vladimir Lindberg, o homem era praticamente um demônio, mas era claro que Edrik não admitiria isso... não ali, e muito menos em qualquer outro lugar. Certas coisas é preferível guardar para si mesmo.
Ele suspirou suavemente, pousando a caneca sobre a mesa e encarando o tampo de madeira, parecendo momentaneamente pensativo, antes de responder para Dante.


- Akira Kurotsuno é um dos espadachins, não... um dos assassinos mais habilidosos do Japão. Nós nos conhecemos a algum tempo, e pelo que eu sei, ele não é do tipo que envolve inocentes. Mas... se por algum azar, alguém acabar se intrometendo entre ele e seu objetivo, certamente não sera paciente com tal pessoa. - ele puxou os cabelos prateados para trás, ouvindo o som da porta abrindo. Edrik já esperava por aquilo, ele havia separado-se do Inverno Soviético, era lógico que algum deles viria buscá-lo onde quer que fosse... principalmente, era evidente que seria Natasha. Ele abriu um sorriso suave e complementou o que estava dizendo para os ocupantes da mesa. - Todos nós sabemos uma ou outra pessoa que tem mania de se intrometer onde não é chamada, é melhor manterem-se de sobre-aviso. Ei, Nat, que bom te ver! Como você pode perceber, ninguém veio atrás de mim, então não precisa se preocupar.

Ele sentia a pressão em seu ombro, diabos, aquela garota era realmente forte. Era claro que ele sabia daquilo, afinal conheciam-se a bastante tempo. Além disso, nenhuma pessoa fraca seria aceita no Inverno Soviético, os caras eram verdadeiras máquinas de guerra. Aquela garota, na verdade, era a prova viva disso.
Edrik Lindberg não precisava de guarda costas ou de pessoas para defendê-lo. Não era atoa que ele viera praticamente sozinho para Windfall, apenas acompanhado de Heliodoro e mais alguns da sua equipe. Ter alguém tomando conta dele era tão incomodo quanto para a sua irmã... mas Natasha era uma exceção.
Edrik tinha ligações emocionais muito fortes com os integrantes do Inverno Soviético, mas Natasha Korolenko provavelmente era a única pessoa que ele permitiria se auto-denominar sua guarda-costas. Foi justamente que, apesar de ter lançado um suspiro de incomodo, ele virou o resto do conteúdo de sua caneca e fez uma mesura estudada na direção de Dante e Ame.


- Bem, foi divertido enquanto durou. Nos vemos por ai. - ele era uma pessoa realmente tranquila, num primeiro olhar. Apenas num primeiro. Atrás de toda aquela aparência de bom moço que Edrik Lindberg mostrava, havia um carrasco cruel, que destruia seus inimigos. Ele caminhou placidamente até a saída, passando por Hanna e esfregando de leve os dedos sobre os cabelos ruivos da menina. - Até mais, garotinha.

Era bastante peculiar, apesar do rapaz ser um ano mais novo que ela, ele parecia bem mais maduro. Tanto Edrik quanto Nymeria haviam sido moldados, trabalhados desde jovens para serem bons líderes... mesmo quando a mãe ainda estava entre eles, defendendo que deveriam seguir o caminho que desejassem, ambos eram perfeitamente polidos para adentrar a sociedade e lidar com ela de igual para igual... ou, quiçá, acima da mesma.
Atravessando a porta que dava para saída, preferindo não se intrometer na pegação entre Mel e Max para despedir-se deles, Edrik pôs ambas as mãos no casaco que usava e fitou o céu. Apesar do frio que fazia, não havia sequer uma nuvem a vista, a lua e as estrelas iluminavam bastante o ambiente, já que Windfall era uma cidade pequena e não possuía a poluição visual das grandes cidades.


- Oh, bem... já que fez questão de acabar com a minha alegria, espero pelo menos uma garrafa de vinho como compensação. - ele voltou o olhar, ainda tranquilo, para Natasha, ainda não passara seus olhos pelos carros estacionados ali, então não percebera o veículo que ela usara para buscá-lo.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Melissa Carter
Estudante
Estudante
avatar

Mensagens : 329
Data de inscrição : 23/07/2017
Idade : 18
Localização : Aqui, Idiota...

Ficha do personagem
HP:
100/100  (100/100)
Itens: Um isqueiro e uma chave inglesa.

MensagemAssunto: Re: Quarto do Maxwell   Ter Jul 03, 2018 2:44 pm

- Hum... isso não é da minha alçada, mas se eu puder encontrar qualquer informação pertinente sobre Akira, farei isso. E, bem... ficarei de olho em algumas pessoas também. - ela lançou um olhar sobre Dante, o rapaz não parecia do tipo que se envolvia nesse tipo de problema, e o olhar de Ame dizia claramente para que ele sequer começasse. A entrada de Natasha não passou despercebida, Ame já havia tateado os bolsos de seu casaco em busca de uma arma mas, ao perceber que ela viera apenas buscar Edrik, contentou-se em retirar a mão dali e fazer um sinal de paz e amor com os dedos para ela. - Oh, eu já ouvi falar de você. Pode levá-lo, ele está apenas de intrometido aqui.

☬ Bem... ela soubera da identidade de Shadow pelas gravações que hackeara da equipe de Edrik, então imaginava que ele também não estava em seu melhor momento. Talvez fosse por isso que tivesse aceitado tão tranquilamente aquele rapaz sentando-se da mesa com eles. Até porque, Edrik não parecia querer fazer-lhes mal de qualquer forma... só que ele era uma pessoa dificíl demais de ler. ☬

- Bom descanso para vocês dois. - ela disse, acenando para ambos e depois fitando Dante com o canto dos olhos. - Me parece que as coisas estão ficando complicadas de novo.



- Eu não... considerei... nada. - suas palavras saiam quebradas diante dos beijos cada vez mais longos e voluptuosos. Aquela provocação de Max acabaria deixando-a totalmente insana. Ela precisava voltar a raciocinar... mas cada vez que as mãos dele percorriam seu corpo, mais perdida e entregue ela ficava.

☬ Ela levantou-se junto com ele, deixando-se ser levada àquele canto e sentindo as mãos dele percorrerem sua pele... estarem bem próximas de passarem um certo limite. A proximidade entre os dois dava-lhe a sensação de dureza familiar... Não era apenas ela que estava excitada, Max também estava animado com aquela situação toda. Melissa voltou a mordiscar seus lábios, a mão passando por um certo ponto do corpo dele, mas subindo novamente. Ela não podia continuar dessa forma, ou perderia o parco controle que tinha e aquele não era o melhor lugar para aquilo. Melissa passou a desejar tanto uma cama ou um quarto naquele instante que fantasias passaram por sua cabeça. Então, com a respiração auterada, ela separou os lábios dos dele, após um aperto suave que a fez soltar um gemido muito baixo, só perceptível por ele. ☬


- Vamos... voltar para a mesa. - as duas mãos dela empurraram-no um pouco para longe de si, Mel já estava totalmente descabelada e suas roupas estavam um pouco fora de lugar. Seu rosto estava muito vermelho, também. Era visível o quanto fora difícil para ela recuperar o próprio controle. - Va na frente.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Maxwell Watson
Estudante
Estudante
avatar

Mensagens : 270
Data de inscrição : 27/07/2017
Idade : 18
Localização : Windfall/Helhole

Ficha do personagem
HP:
100/100  (100/100)
Itens:

MensagemAssunto: Re: Quarto do Maxwell   Ter Jul 03, 2018 4:17 pm

- Considerou sim. Pervertida - Maxwell falou, assim que o beijo parou por alguns segundos. É claro que ele sabia que a garota não havia realmente considerado tirar suas roupas ali, sabia bem que ela ainda tinha um pouco de controle restando dentro de si.

A mão de Maxwell que estava por dentro das roupas dela subiu e subiu pela parte da frente do corpo dela, enquanto a outra que estava por fora descia pela parte de trás, apalpando um dos glúteos dela com força. A outra mão, por sua vez, subiu até um dos seios dela e apertou o mesmo. Justamente por estar com a mão dentro das roupas dela, ele podia sentir plenamente aquele seio, apesar do mesmo estar protegido por um sutiã, o qual ele desejava remover mas sabia bem que não o devia fazer. Melissa o mataria se ele começasse a tirar a roupa dela ali. Ainda assim, decidiu arriscar e apertou suavemente o seio direito dela, enquanto mordia o lábio inferior dela. Abusado. Muito abusado. Mas ele retirou as mãos dela assim que a mesma o empurrou levemente para trás, sorrindo como o safado que era.

As roupas de Maxwell estavam uma completa bagunça, a jaqueta precisou ser ajeitada e a camiseta puxada para baixo para ajudar a calça a esconder algo que surgia nela. Após isso, ele passou as mãos pelos próprios cabelos, tentando arrumar eles e ainda levou suas mãos para os cabelos de Mel, ajudando-a a ajeitar uma parte deles que estava completamente bagunçada, culpa dele obviamente. Ele virou-se, sorridente e caminhou até a porta que levava de volta para dentro do bar, parando na mesma, virando-se e estendendo sua mão para Melissa.


- Vem cá - Ele chamou.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Dante Reed
Estudante
Estudante
avatar

Mensagens : 133
Data de inscrição : 05/10/2017
Localização : Windfall

Ficha do personagem
HP:
100/100  (100/100)
Itens:

MensagemAssunto: Re: Quarto do Maxwell   Ter Jul 03, 2018 5:28 pm

- Fofo? - Ele murmurou, ficando levemente vermelho e coçando sua nuca no processo. Já fora chamado de fofo antes e sempre rira do apelido, mas como fora Hanna que falara isso, ele acabou ficando envergonhado, começando a coçar a sua nuca no processo.

Dante assentia seriamente conforme Edrik explicava sobre Akira, fazendo uma anotação mental sobre como deveria tomar cuidado de agora em diante, pelo menos até ficar sabendo se ele havia deixado a cidade ou não. Claro, ele nunca se envolvia com pessoas que considerava perigosas, o rapaz tinha um excelente faro para esses tipos de coisa. Tanto que, quando Edrik se aproximara, ele soubera dizer que ele não era uma pessoa comum. Ele então olhou para Ame e suas sobrancelhas subiram.


- O que? - É claro, ele era amigável demais e sempre acabava se envolvendo com as pessoas erradas. Havia uma enorme chance de que, se ele se encontrasse com o Akira, o rapaz tentasse ficar amigo dele - Prometo não fazer burrice.

E então Natasha chegou e Dante nunca se sentiu tão intimidado assim em toda a sua vida. Como foi dito anteriormente, ele tinha um certo faro para distinguir se uma pessoa era perigosa ou não e aquela garota parecia exalar perigo. Ele via isso na postura dela, confiante, mas ao mesmo tempo agressiva, uma que claramente falava que ela não era uma pessoa que deveria ser irritada. Ele despediu-se de Edrik e de Natasha. O rapaz de cabelos brancos poderia sentir que alguém o olhava com muita, mas muita raiva, porém isso acabou não durando por mais de um segundo. Dante tinha que aprender a lidar com seus ciúmes, ciúmes que ele tinha por uma pessoa que era só sua amiga.


- As chances de ele estar aqui só matando tempo são baixíssimas, não são? - Dante perguntou, tomando um gole de sua bebida - Eles estão voltando, vamos mudar de assunto?
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Hanna Blackwell
Estudante
Estudante
avatar

Mensagens : 153
Data de inscrição : 06/08/2017
Idade : 19
Localização : Academia Blackwell... não, eu não sou parente do fundador nem nada do tipo.

MensagemAssunto: Re: Quarto do Maxwell   Ter Jul 03, 2018 11:02 pm

- Extremamente fofo. - os olhos dela brilharam por alguns instantes, sem que a garota pudesse se dar conta. Talvez ela própria percebesse que tinha algumas reações peculiares quando estava por perto de Dante. E que se sentia incrivelmente bem ao lado dele.

Hanna já estava prestes a retornar a mesa com as batatinhas quando sentiu uma mão passar por sua cabeça. Ela sorriu amigavelmente para Edrik e acenou para ele, como se fossem amigos de longa data, sem reparar no visível ciúmes de Dante, então endireitou a bandeja entre seus dedos e caminhou novamente até seus amigos, colocando-a sobre o tampo de madeira e sentando-se.

- Oh, ele foi embora rápido...
- com o canto dos olhos, ela reparou que Mel e Max também se aproximavam. Seu rosto voltou a esquentar. - Hei, olá de novo!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Natasha Korolenko
Estudante
Estudante
avatar

Mensagens : 34
Data de inscrição : 21/12/2017
Idade : 19
Localização : Windfall

Ficha do personagem
HP:
100/100  (100/100)
Itens:

MensagemAssunto: Re: Quarto do Maxwell   Ter Jul 03, 2018 11:26 pm

- Ninguém veio atrás de você, ainda - Natasha pontuou, seu sotaque russo saindo pesado naquela frase. Suspirou mais uma vez, gostava de Edrik, realmente gostava dele porém não gostava de vê-lo sair para lugares sem ao menos um segurança.

Já o servira como guarda-costas diversas vezes, tantas que chegara a perder a conta. Ele nunca fora ferido na presença dela e Natasha tinha intenção de manter isso, jamais deixaria que Edrik fosse machucado. O rapaz talvez não notasse, afinal aquela parte rude dela não ajudava muito nisso, mas ela realmente se importava com Edrik. Não, ela o amava. Quando que aquilo começara? Céus, ela não sabia, se conheciam a tanto tempo. Ela acreditava que jamais amaria alguém em toda a sua vida, estava sempre ocupada demais para isso, e também sabia que não seria amada de volta, uma pessoa como ela não ganhava esse tipo de sentimentos. Mas, de alguma maneira, Edrik conseguira fazer com que ela se apaixonasse por ele. E ela escondia isso dentro de si, sempre se esforçando para agir de uma maneira grossa com ele, apesar de não desejar fazer isso. Nem mesmo Ivan, seu pai adotivo, sabia disso. O único que suspeitava era Sergei, a quem Natasha considerava um irmão e o mesmo nunca se pronunciara sobre isso.

- Até, até, se cuidem e tudo mais - Ela falou apressadamente, virando-se e deixando o local com Edrik. Do lado de fora, ela suspirou mais uma vez e começou a caminhar para uma caminhonete quatro por quatro que estava estacionada no local - Você é russo, beba vodca porra.

Ela destrancou o carro e abriu a porta de trás para que Edrik entrasse, e o mesmo ousasse tentar ir no banco da frente, escutaria um resmungo da parte de Natasha sobre segurança e regras e ela o empurraria na direção da porta de trás. Agora, dentro do carro, ela fechou a porta e entrou do lado do motorista, ligando o mesmo e deixando o local. Passaram alguns minutos em completo silêncio.

- Você quer ir para a casa onde estamos ou prefere o seu apartamento? - Ela perguntou, sem saber direito o que fazer - Independente de onde escolher ir, eu vou ter que ficar por lá e te proteger. Nós dois sabemos que você é bem indefeso - Aquela última frase saiu com um sarcasmo extremamente palpável - Ou tem outros planos pra hoje a noite?
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Nymeria Lindberg
Estudante
Estudante
avatar

Mensagens : 244
Data de inscrição : 26/09/2017
Idade : 18
Localização : Windfall

Ficha do personagem
HP:
100/100  (100/100)
Itens: Espada

MensagemAssunto: Re: Quarto do Maxwell   Qua Jul 04, 2018 12:26 am

- Até parece que você não sabe o que acontece com quem tenta, Nat.

Edrik era uma pessoa que tendia a proteger, dificilmente sendo protegido por alguém. Aquele era quase o seu mote, embora todos os integrantes do Inverno Soviético cismassem em ignorá-lo. Mesmo assim, às vezes era mais fácil aceitar do que discutir. Nesse ponto, Nymeria e o irmão pensavam perfeitamente igual. Eles poupavam a própria cabeça ignorando a presença dos guarda-costas, quando existiam, ou simplesmente tentando fugir.
E era ai que estava o problema, porque ele não conseguia nem ignorar nem fugir de Natasha.
E isso acontecia desde quando a conhecera, com seus doze anos... Edrik Lindberg sempre fora uma pessoa difícil de entender ou prever, mesmo quando bem pequeno. Mas a convivência com aquela garota rude, um ano mais velha que ele, mudou algo dentro de si. Algo em seu coração...
Ele não era tolo. Edrik sabia muitas coisas, sobre si mesmo e sobre os outros, mas ele jamais dizia. Isso porque tudo o que ele fazia até então era manter Nymeria segura. Manter Nymeria longe das garras do pai. Então ele fingia não perceber que ela odiava o velho ou de sua rixa com ele. Fingira não ligar os pontos que levara a suposta morte da mãe.
Edrik era um mestre no disfarce, era muito bom em fingir.
Era por isso que ele fingira, ate então, não amar Natasha Korolenko.


- Tanto faz, é você quem vai pagar mesmo.

Ele fez uma careta para ela, tomando o rumo do exagerado carro da garota... deveria imaginar que se tratava do mesmo. Edrik revirou os olhos ao ser enxotado para o banco traseiro e adentrou o veículo, acomodando-se e cruzando as pernas, seu cotovelo apoiado na janela pela qual ele passou a olhar, enquanto Nat dava a partida e eles iam para a estrada. Depois do silêncio que os acometeu, mais confortável do que deveria, Edrik piscou e encarou-a pelo espelho retrovisor.

- Para o meu apartamento, por favor. - ele apoiou a mão do outro lado em seu peito, fazendo uma pose típica do estereótipo dado aos homossexuais. - Querida, eu sou frágil como vidro, se encostar em mim eu quebro. - ele voltou a observar a janela após aquilo, parecendo perdido em pensamentos. - Na verdade, eu tenho um encontro marcado está noite. Eu acho que não gostaria de saber o que vai acontecer depois disso.

Ele não tinha encontro nenhum, as únicas pessoas com que travara uma conversa desde que se separara da irmã foram aquelas no bar. Mesmo assim, ficou curioso para saber qual seria a reação de Natasha. Ele olhou novamente para o espelho retrovisor, com o canto dos olhos, espionando-a.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Melissa Carter
Estudante
Estudante
avatar

Mensagens : 329
Data de inscrição : 23/07/2017
Idade : 18
Localização : Aqui, Idiota...

Ficha do personagem
HP:
100/100  (100/100)
Itens: Um isqueiro e uma chave inglesa.

MensagemAssunto: Re: Quarto do Maxwell   Qua Jul 04, 2018 10:33 am

- Que bom, já tenho uma intrometida pra me preocupar. - ela fez um leve sinal com a cabeça em direção do local onde Melissa e Max estavam, antes de sumirem para um conto escuro, e ajeitou seus cabelos. Melissa não se intrometia nos problemas de todo mundo, mas ela tinha a infeliz mania de estar no lugar errado na hora errada. Considerando que boa parte dos problemas atuais da garota existiam porque Ame a convocara, isso era o bastante para ela sentir-se um pouco culpada e disposta a ficar de olho para que a outra não se ferisse. - Membros da Yakusa ou de qualquer outra máfia são bastante ocupados, certamente ele não deixaria o pai dele para ir para este lado do mundo apenas tirar férias. Não, não... tem coisa ai. Mas o que pode ser, não faço a menor ideia.

☬ Ela assentiu com a cabeça, vendo tanto Melissa e Max quanto Hanna retornarem praticamente ao mesmo tempo. ☬

- Oh, você pegou uma porção de tamanho ideal, pequena Hanna. - ela capturou algumas batatinhas e colocou-as na boca, mastigando levemente, antes de voltar seus olhos para os outros dois. - Olha só, se não é o par de amigos mais interessante do bar, sentem-se, sentem-se! ♪


☬ Melissa sentia o coração bater perigosamente em seu peito. Era só... adrenalina. Com toda a certeza. Era apenas a sensação de fazer algo e não ser pega. O rastro das mãos de Max em seus seios ainda estavam ali. Como se ele ainda estivesse os tocando. Seu cerebro semi-nublado pelo alcool levou-a a lembranças de dias atrás, quando ele a tocara também, sem nenhum impedimento. Ela balançou a cabeça um pouco desnorteada, ajeitando o sobretudo. Sentimento estranho. Ela sentia-se um pouco mais fora de si que o normal. ☬

☬ Num primeiro momento ela ignorou a mão que ele estendia em sua direção, insistindo que ele fosse na frente e cruzando os braços, os olhos voltados para um ponto aleatório do canto escuro onde ambos estiveram agarrados até então. Mas, assim que Maxwell vira-se as costas e começa-se a adentrar o bar, uma Melissa alta correria um pouco para alcançá-lo, seus dedos entrelaçando-se com os dele. ☬

☬ Merda... porque ficava tão angustiada ao vê-lo se afastar dela? ☬


- Se você fizer qualquer comentário idiota sobre isso, te quebro em dois. - disse, ainda segurando a mão dele, de uma forma mais intima do que era de se esperar de alguém que correra apenas para ameaçá-lo. Ela não soltou-o também, até chegarem perto da mesa. Ao ser bombardeada pelos olhares de compreenção dos outros ocupantes, principalmente pelo comentário de Ame, seu rosto pareceu tomar um tom ainda mais escuro de vermelho, antes que se senta-se. - Vão se danar, todos vocês.

☬ Ela passou a mão na caneca que estava bebendo antes, esquecida sobre a mesa, e pediu a um garçom que passava para enchê-la novamente, até a borda. Depois virou metade da mesma praticamente de uma vez. ☬
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Maxwell Watson
Estudante
Estudante
avatar

Mensagens : 270
Data de inscrição : 27/07/2017
Idade : 18
Localização : Windfall/Helhole

Ficha do personagem
HP:
100/100  (100/100)
Itens:

MensagemAssunto: Re: Quarto do Maxwell   Qua Jul 04, 2018 1:57 pm

Como ela não veio no primeiro momento, ele riu e virou-se, caminhando para dentro do bar novamente. Não lhe foi nenhuma surpresa quando a garota aproximou-se a passos rápidos e segurou a sua mão, bastou olhar para o modo que ela o encarara momentos atrás para saber que ela iria vir. Assim como ela não aguentava vê-lo afastando-se dela, Maxwell não gostava de ter que caminhar sem ter ela ao seu lado.

- Eu não vou fazer nenhum comentário idiota sobre isso... Amor - Mas como Max adorava irritar Melissa, era quase como um passatempo para ele. Estranhamente, chamá-la de amor lhe saíra como algo natural e até mesmo bom de dizer. Assim que chegasse em seu quarto ele iria colocar seus sentimentos em ordem. Bom, pelo menos foi isso que pensou naquele momento.

Diante dos olhares de seus amigos, tudo o que ele fez foi rir de uma maneira sem graça e coçar a nuca com a mão livre, a outra ainda segurando a mão de Melissa. Ele fez questão de sentar-se ao lado dela, ainda segurando a mão da garota. Por fim, ele pediu para o garçom para trazer-lhe mais uma caneca de chopp, já que deixara a sua na área de fumantes. Bebeu quando a mesma chegou em sua mesa e finalmente soltou a mão de Melissa. Apenas para passar o braço pela cintura dela e puxá-la para mais perto, rindo.


- Ei, você tem visto o Noah? - Ele perguntou, olhando para Melissa - O de cabelos azuis que tinha a moto rápida que nem o diabo.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Dante Reed
Estudante
Estudante
avatar

Mensagens : 133
Data de inscrição : 05/10/2017
Localização : Windfall

Ficha do personagem
HP:
100/100  (100/100)
Itens:

MensagemAssunto: Re: Quarto do Maxwell   Qua Jul 04, 2018 2:49 pm

Dante olhou para o seu próprio copo, vermelho como um pimentão. Ele não conseguia segurar aquela vergonha dentro de si, portanto ela acabava de mostrando dessa maneira. Normalmente ele sabia lidar bem como elogios, mas agora que era Hanna elogiando-o, ele apenas não conseguia se segurar. Precisou respirar profundamente para controlar aquela sensação que o corroía por dentro.

- Entendo. Bom, não vou me meter nesses assuntos. São perigosos demais.

Assim que os dois retornaram da área de fumantes, tudo o que Dante fez foi abrir um sorriso simpático para Melissa e Max, recebendo uma breve bronca dela, o que provocou-lhe uma curta risada. O comentário de Hanna sobre a ida de Edrik provocou mais uma vez o ciúme de Dante. Ele sabia bem que ela não estava atraída por ele daquela maneira, mas não conseguia conter o que ele sentia. Normalmente não via problemas em fazer carinhos em seus amigos, mas com Hanna... Agora ele tinha uma vergonha enorme de até mesmo olhar para ela por muito tempo.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Hanna Blackwell
Estudante
Estudante
avatar

Mensagens : 153
Data de inscrição : 06/08/2017
Idade : 19
Localização : Academia Blackwell... não, eu não sou parente do fundador nem nada do tipo.

MensagemAssunto: Re: Quarto do Maxwell   Qua Jul 04, 2018 3:21 pm

Ela acomodou-se em seu lugar, comendo algumas batatinhas, os olhos presos no casal que retornava ainda. Mesmo que permanecesse um pouco envergonhada pelo que vira dos dois, achando que estava sendo indiscreta, Hanna sorria. Parecia meio óbvio que ela estava "shippando" aqueles dois, achava que realmente faziam um ótimo casal. Todo mundo deveria saber daquilo, menos os próprios envolvidos... mas normalmente as coisas sempre funcionavam desse jeito.

- Acho que você está um pouco alterada, Mel.
- uma gotinha surgiu em sua cabeça. Ela estava começando a ficar ligeiramente alta, mesmo que estivesse bebendo bem devagar. Ao tomar mais um gole, o peso caiu um pouco para a direita e acabou parando sobre o ombro de Dante. - Hum, hã... desculpe!

Rapidamente ela endireitou a cabeça e piscou os olhos na direção de Max, que acabara de questionar sobre Noah. Ela não sabia de quem se tratava, mas não se lembrava de ter visto ninguém com aquelas características andando pelo campus.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Natasha Korolenko
Estudante
Estudante
avatar

Mensagens : 34
Data de inscrição : 21/12/2017
Idade : 19
Localização : Windfall

Ficha do personagem
HP:
100/100  (100/100)
Itens:

MensagemAssunto: Re: Quarto do Maxwell   Qua Jul 04, 2018 3:43 pm

O carro derrapou violentamente, Edrik certamente cairia no banco de trás. Natasha acabara de parar o carro dentro de um estacionamento de uma loja, que encontrava-se fechada. Pelo o que Edrik pudera ver antes da súbita movimentação dela, a expressão de Nat se transformara em uma de puro ódio no momento que ele citara o encontro. Ambos ali não eram crianças e já tinham saído com pessoas algumas vezes, no caso de Nat era sempre para buscar algum tipo de alívio de sua parte. Ela também sabia que Edrik já tinha saído com algumas pessoas e em todas as vezes ela sentira um leve e idiota ciúme.

- Encontro? Um... Encontro? - Silêncio por alguns segundos até ela bater com as mãos no volante e virar o rosto para olhar Edrik, ela ainda parecia estar possuída pela raiva - Porra Edrik! E como é que eu não sei desse teu encontro? Você sabe que tem regras quanto a isso, não tô nem aí se a tua equipe pesquisou o passado da piranha, esse tipo de coisa tem que passar pela gente! A gente tem que fazer a porra da pesquisa sobre essa aí! E se for uma espiã? Ou pior, uma assassina? Ela vai meter a faca no teu pau, porra!

Ela passou a mão pelo rosto. O que ela falava era verdade... Em partes. Não era necessário que o passado de uma pessoa fosse investigado pelo Inverno Soviético para que Edrik pudesse sair com essa pessoa, a equipe dele poderia muito bem fazer isso. Aquilo era apenas o ciúme dela falando mais alto, fazendo com que ela não fizesse sentido nenhum no momento. Na verdade, era uma mistura de ciúmes e raiva.

- Você... Aaah - Ela bateu a mão no volante mais uma vez, dessa vez atingindo a buzina e fazendo ela soar por um momento. Ela tirou o cinto de segurança e virou-se para Edrik, apontando o dedo na cara dele. Ela riu um pouco com a situação, talvez ela internamente notasse o quão ridículo aquilo estava sendo - O que você andou fumando? Não fumou da boa não! Não foi da boa não! Você devia ter avisado o Ivan! Eu fui te buscar de otária. Eu vou voltar para a casa e vou falar pro Ivan o que aconteceu, ele vai bater palmas e vai falar '' Parabéns, você é uma otária! '' Ah, mas eu vou...

Ela passou para o banco de trás, se apertando entre os bancos da frente e sentando ao lado de Edrik, o olhar dela era uma mistura de ódio, ciúmes e incredulidade. Ela não notara que era uma mentira apenas para ver a reação que ela teria. Bom, se tivesse notado provavelmente acabaria batendo nele. Agora, sentada de frente para ele, Natasha segurava a vontade que tinha de estrangular o rapaz. Ela falava, não, gritava tão alto que ele não tinha chances de responder.

- Você é burro ou nasceu assim mesmo? Porra! Assim você me fode! Você não tá facilitando as coisas! - Ela passou as mãos pelo rosto novamente, bufando de raiva e abriu os braços enquanto olhava para ele - Quer me foder me beija, Edrik!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Nymeria Lindberg
Estudante
Estudante
avatar

Mensagens : 244
Data de inscrição : 26/09/2017
Idade : 18
Localização : Windfall

Ficha do personagem
HP:
100/100  (100/100)
Itens: Espada

MensagemAssunto: Re: Quarto do Maxwell   Qua Jul 04, 2018 4:31 pm

Só por um milagre Edrik não se machucou com aquela derrapada. Ele não estava usando o cinto de segurança, e de fato caiu no banco de trás, mas rapidamente ergueu a mão para segurar o banco da frente com força, sofregamente voltando para aposição anterior. Seus cabelos prateados agora estavam uma bagunça total e completa. Ele não fazia ideia de que a reação dela fosse ser tão... explosiva. Bem, considerando a personalidade de Natasha, não era pra ele ficar tão surpreso assim. Os olhos bicolores piscaram para ela e ele se encolheu mais por conta dos gritos da amiga do que por outra coisa. Sua boca abriu-se para argumentar que era uma brincadeira, mas ele não conseguia sequer falar um ah sem ser interrompido pelo monólogo de Natasha.

Como assim cortarem o seu pau fora? Edrik admitiu uma expressão ofendida, eles achavam mesmo que era incapaz de fazer suas próprias pesquisas e deixar-se cair na mão de qualquer idiota? É claro que, ainda que o Inverno Soviético fizesse sua cata por informações sobre as mulheres com as quais saia, sempre havia pessoas que driblavam até mesmo os melhores informantes. E ele dera conta de uma ou duas delas, fazendo com que se arrepender-se amargamente de tentarem enganá-lo.
Mas bom... ele não conseguiria nada argumentando, mais uma vez, que sabia se virar sozinho e não queria ninguém se intrometendo com as pessoas com as quais transava.

Na verdade, sabiamente ele pulou para o lado quando Natasha fez questão de ir para o banco traseiro, isso porque ela provavelmente o atropelaria sem dó nem piedade. Depois de alguns segundos encarando-a, no entanto, a única coisa que Edrik Lindberg conseguiu fazer foi rir. Ele abraçou o próprio estômago e começou a gargalhar como um louco, rindo de uma piada que Natasha Korolenko não poderia entender no momento.
Deuses, era impossível para ele ficar zangado com ela por muito tempo, afinal de contas. Edrik subiu a mão que segurava sua barriga para a testa, puxando os cabelos para trás, e se aproximou dela num movimento tão natural que Natasha não recuaria. mesmo que fosse algo não esperado da parte dele. Suas mãos prenderam os pulsos dela no mesmo momento em que suas bocas se encontravam e Edrik iniciava um beijo longo e sedutor.

Assim que seus lábios se soltaram, assim como os pulsos que ele segurava, Os olhos bicolores dele encontraram os dela e ele proferiu lentamente.

- Nâo há encontro algum, sua maluca ciumenta. - ainda que as palavras que escolhera fossem um pouco rudes, havia um carinho óbvio surgindo em seu tom de voz. Ele esticou-se, seu rosto encostando mais uma vez no dela e arrastando-se até chegar perto de sua orelha. - Mas já que estamos aqui... acho que estou tentado a prová-la.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Melissa Carter
Estudante
Estudante
avatar

Mensagens : 329
Data de inscrição : 23/07/2017
Idade : 18
Localização : Aqui, Idiota...

Ficha do personagem
HP:
100/100  (100/100)
Itens: Um isqueiro e uma chave inglesa.

MensagemAssunto: Re: Quarto do Maxwell   Qua Jul 04, 2018 5:07 pm

- É bastante sábio da sua parte, Dante. ♪ - ela ergueu ambas as mãos diante da atual explosão de Melissa, era visível que a garota estava ligeiramente sem graça. - Está tudo bem, está tudo bem, não precisa se irritar! ♪
- Ame, você é tão irritante... - Melissa resmungou rugas de estresse pipocando em sua cabeça, agarrou a caneca de cerveja com a mão que Max não segurava e bebeu mais um pouco dela.

☬ Seu coração ainda estava retumbando após ser chamada de amor. Era apenas uma provocação, mais uma pra extensa lista. Maxwell a provocava desde sempre, mas de uns tempos para cá Melissa costumava levá-las à sério. Ter aquele apelido carinhoso murmurado pelos lábios dele fez o calor que tinha em seu interior amainar para algo mais... doce. Mas ela não admitiria aquilo. Mesmo que ainda estivesse segurando a mão dele, aproveitando o toque, como se fosse sua namorada. Mesmo que tivesse deixado-o puxá-la mais uma vez para mais perto.
Amor...
Como uma simples palavra poderia causar aquelas borboletas em seu estômago?
Será mesmo que era tudo apenas por causa da bebida? ☬

- Eu estou perfeitamente normal, Senhorita Boa Samaritana!. - ela disse para Hanna, bebendo o resto do conteúdo de sua caneca e só então voltando-se novamente para Max. - Inferno... eu sei quem é... não me lembre dessa maldita moto.

☬ Só de lembrar da velocidade máxima dela... ou melhor, só de lembrar do que ocorrera depois, Mel ficava meio enjoada. ☬

- Eu só o vi uma vez... naquele mesmo em dia em que nós... conversamos. - e transaram pra caramba. - Eu concertei a moto dele... é um cara legal, mas não tive mais notícias desde então.
- Vocês eram amigos de Noah? - Ame interrompeu, assumindo uma expressão um tanto quanto sombria. Parecia que algo não ia bem.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Maxwell Watson
Estudante
Estudante
avatar

Mensagens : 270
Data de inscrição : 27/07/2017
Idade : 18
Localização : Windfall/Helhole

Ficha do personagem
HP:
100/100  (100/100)
Itens:

MensagemAssunto: Re: Quarto do Maxwell   Qua Jul 04, 2018 6:00 pm

Ele adorou poder chamar ela de amor, apesar de ser algo que fazia o seu rosto esquentar suavemente. Era um pouco vergonhoso na verdade, ter um apelido tão carinhoso assim para com ela, mas ele gostava. Chamá-la de amor era algo que o aquecia por dentro, o deixava verdadeiramente feliz. Na verdade, ela já o chamara por algo que poderia ser considerado carinhoso antes, mas em uma situação completamente diferente. Ela o chamara de querido. Mas fora naquela noite que ambos partilharam e fora justamente no momento em que ela o tratara como um brinquedo. Pensar nisso não ajudava a acalmar a sua ereção.

- Ah sim, é que ele deixou a moto dele comigo e depois disso eu não vi mais ele - Falou Max, demonstrando preocupação com Noah. Apesar de ser um maluco, ele tratara bem a Max e fora um bom amigo. Ele beijou suavemente o pescoço de Melissa depois disso e voltou seus olhos para Ame - Somos sim. Aconteceu algo com ele?
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Dante Reed
Estudante
Estudante
avatar

Mensagens : 133
Data de inscrição : 05/10/2017
Localização : Windfall

Ficha do personagem
HP:
100/100  (100/100)
Itens:

MensagemAssunto: Re: Quarto do Maxwell   Qua Jul 04, 2018 10:52 pm

- Não se preocupe - Falou Dante, para Hanna. Ele tinha que admitir que ficara um pouco envergonhado com o toque dela, mas decidira tentar engolir a vergonha que sentia, apenas para falhar.

A situação entre Melissa e Max era um pouco estranha. Dante sabia do que os dois tinham feito e sabia bem que ambos gostavam um do outro, mesmo que não fosse em um sentido romântico. Porém ele tinha a sensação de que o relacionamento entre aqueles dois estava prestes a evoluir e muito. Amigos, apesar de gostarem muito um do outro, não se pegavam. Principalmente daquela maneira. Aqueles dois tinham um fogo dentro de si, um que estava custando para sair, mas que uma hora iria incendiar a ambos.

- Quem é Noah?
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Hanna Blackwell
Estudante
Estudante
avatar

Mensagens : 153
Data de inscrição : 06/08/2017
Idade : 19
Localização : Academia Blackwell... não, eu não sou parente do fundador nem nada do tipo.

MensagemAssunto: Re: Quarto do Maxwell   Qua Jul 04, 2018 11:44 pm

- Hahaha... tudo bem, tudo bem. Eu acredito em você. - mesmo assim, Hanna deu uma risadinha a bebida vinha subindo um pouco a sua cabeça. Ela corou um pouco após deitar a cabeça sem querer em Dante, e abriu-lhe um sorriso amarelo. - Uh... eu acho que passei um pouquinho de limite.

Ela viu Max beijando o pescoço de Mel e ficou mais vermelha ainda, escondendo o rosto atrás dos olhos por conta da vergonha que sentira. Eles certamente tinham alguma coisa, mas era muito, muito constrangedor para ela focar demais naqueles dois. Seus olhos piscaram, no entanto, com a pergunta de Ame, e sua cabeça pendeu para um dos lados. Tinha a impressão que não devia estar escutando aquela conversa em particular, e então olhou para Dante em dúvida, como se questiona-se se aquele pensamento estava certo. Quem seria aquele que todos chamavam de Noah?
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Natasha Korolenko
Estudante
Estudante
avatar

Mensagens : 34
Data de inscrição : 21/12/2017
Idade : 19
Localização : Windfall

Ficha do personagem
HP:
100/100  (100/100)
Itens:

MensagemAssunto: Re: Quarto do Maxwell   Qui Jul 05, 2018 12:06 am

Ele riu. Ele começou a dar risada. Ela sentiu um impulso assassino corroendo-a por dentro, mas aquele era o rapaz a quem ela deveria proteger e a quem ela amava. Antes que pudesse atacá-lo, Edrik a beijou. E ela ficou parada, deixando que ele a beijasse, mas mais para o fim do beijo ela começou a responder e então ele parou aquele contato. Ela sentia o fogo queimando-a por dentro, uma vontade que até então ela segurara dentro de si estava prestes a vazar.

- Não tem encontro? - Ela murmurou por um momento e então ele disse aquilo no seu ouvido. Um choque percorreu todo o seu corpo, conforme um sorriso satisfeito e malicioso cruzava seus lábios - Ah, quer é?

Ela pousou sua mão no peito de Edrik, empurrando-o para longe de si e fazendo-o sentar-se direito no banco. Em seguida ela sentou em cima do colo dele e puxou-o para um beijo voluptuoso. Ela mal provara daqueles lábios e sabia que queria continuar provando deles para o resto da vida. Suas mãos subiram, passando pelos cabelos brancos dele, acariciando-os e em seguida puxando-os, de uma maneira brusca mas que não machucaria Edrik. Assim que a cabeça dele foi erguida ela passou a beijar o queixo dele, descendo para o pescoço e indo para os ombros e fazendo o mesmo caminho de volta. Ela mordeu o lábio inferior dele e reiniciou aquele beijo. Ela só parou de beijá-lo em um único momento.

+18:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Nymeria Lindberg
Estudante
Estudante
avatar

Mensagens : 244
Data de inscrição : 26/09/2017
Idade : 18
Localização : Windfall

Ficha do personagem
HP:
100/100  (100/100)
Itens: Espada

MensagemAssunto: Re: Quarto do Maxwell   Sab Jul 07, 2018 9:31 pm

Edrik imaginou que apanharia. Talvez ele merecesse apanhar, afinal de contas... rindo daquele jeito após todo o piti de uma mulher que tinha como trabalho matar pessoas. E de uma forma não muito agradável, diga-se de passagem. Bem... quem era ele para falar?

- Não. - ele disse,no curto período em que aquele beijo que começara daria lugar a outro, ainda mais sedento, de Natasha. - Eu não gostaria de passar essa noite com mais ninguém além de você.

Aquilo era uma verdade. Ele estava sendo estupidamente sincero sobre algumas coisas naquele momento. Ele tinha consciência disso... Edrik Lindberg sabia o quão perigoso o jogo que entrara ficaria se colocasse mais uma peça. Mas, pensando bem sobre o assunto, Natasha Korolenko sempre fora uma peça no tabuleiro... todos aqueles que se aproximavam dos irmãos Lindberg eram peças, peças que o pai de ambos poderia usar contra eles quando bem quisesse. Edrik apenas fingia não se importar. Ele fingia estar sozinho.
Naquele tabuleiro, se Edrik era o Rei e Nymeria a Rainha, Natasha e Lennart seriam Torres. Eles estavam ali para proteger, mas acabaram tornando-se algo importante demais.
Essas Torres não poderiam ser sacrificadas.

O beijo de Natasha não pegou-o desprevinido, mas seu ardor certamente deixou Edrik um segundo sem reação. Apenas por um segundo. Então ele passou as mãos pelos quadris dela, puxando-a mais para perto, encaixando-a em eu colo e entregou-se a sensação que a boca dela lhe causava.
Ele queria fazê-lo a tanto tempo... a única coisa que o impedia era o tabuleiro, as ligações que não podia cultivar. Mas naquela noite, ele descobriu-se necessitado do calor bruto de Natasha mais do que qualquer outra garota ou copo de cerveja.
Ele sentiu as mão percorrem seus cabelos e os puxarem bruscamente para trás, e Edrik deixou seu pescoço a mostra para que ela se delicia-se ali.  A voz de veludo dele produziu um ruído similar a um gemido.


+18:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Melissa Carter
Estudante
Estudante
avatar

Mensagens : 329
Data de inscrição : 23/07/2017
Idade : 18
Localização : Aqui, Idiota...

Ficha do personagem
HP:
100/100  (100/100)
Itens: Um isqueiro e uma chave inglesa.

MensagemAssunto: Re: Quarto do Maxwell   Sab Jul 07, 2018 10:11 pm

☬ Todas as palavras carinhosas que haviam trocado até então haviam sido desvirtuadas em contextos ou de zombaria, ou de sensualidade. Era a primeira vez que, apesar de ser uma provocação, aquela palavra permaneceu acima de ambos, como se fosse uma liga. Aquela noite estava começando a ficar muito estranha... e Melissa começava lentamente a ficar muito vermelha. ☬

- Então a pequena Hanna não pode com a bebida mesmo, não é? ♪
- Não me surpreende muito. Olha Hanna, você deveria dar uma pausa... - Melissa dizia, ao sentir Max beijar seu pescoço. Um arrepio de prazer escalou por sua espinha e quase fez com que ela vira-se ali mesmo e o agarrasse novamente. Com muita força de vontade, Melissa conseguiu se controlar. Mesmo assim Max notaria ela invertendo a posição das próprias pernas, como se para acalmar alguma sensação lá em baixo. - Mais ou menos, eu diria que sim.

☬ A garota virou seus olhos para Dante e ergueu uma das mãos para coçar a parte de trás da nuca, fechando um dos lados. ☬

- Noah era um estudante... bem, não exatamente. Ele veio pelos próprios problemas dele, e acho que acabou se envolvendo com Shadow. Digo... ele estava contra Shadow, na verdade. É uma história meio longa, mas eu imaginava que já havia deixado a cidade. - seus olhos voltaram-se para Max. - Ele deixou a fucking Hayabusa dele com você?

☬ Okay, ela estava preocupada agora. Noah não parecia alguém que se livraria de sua moto preferida daquele jeito. E a expressão que Ame fazia não era das melhores também. Aparentemente, essa informação não fora repassada para ela. ☬

- Você não me contou isso.
- Eu não pensei ser realmente necessário, o cara não estava contra a gente!
- Você deveria! - a mulher bateu com força a mão na mesa, encarando Melissa por alguns segundos, antes de se endireitar. - Noah Smith está morto. Ele estava com o Inverno Soviético na Sede Principal de Shadow, se passando por aquele maluco com a máscara de galo... Jacket, como chamam. Aparentemente o próprio foi lá e deu um fim à farça.

☬ Melissa, que encarava Amenartas com uma expressão indignada de alguém que não sabe exatamente porque está levando uma bronca, gelou imediatamente com tais palavras e ficou estática. ☬
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Maxwell Watson
Estudante
Estudante
avatar

Mensagens : 270
Data de inscrição : 27/07/2017
Idade : 18
Localização : Windfall/Helhole

Ficha do personagem
HP:
100/100  (100/100)
Itens:

MensagemAssunto: Re: Quarto do Maxwell   Sab Jul 07, 2018 10:47 pm

Tudo o que Max fazia com Melissa lhe vinha naturalmente. Ele segurava a mão dela, pois isso lhe parecia ser o certo a se fazer, ele a abraçava pois queria senti-la por perto. E ele a beijava, pois aquela era uma sensação da qual ele nunca ficaria saciado. A camiseta de Maxwell era larga e escondia bem o que erguia-se ali. Estar tão próximo assim dela e não poder tocá-la de uma maneira mais intima era como atear fogo ao corpo inteiro do rapaz, enquanto Melissa era um lago, no qual ele não podia adentrar.

- Aham, ele tava meio estranho. Sei lá, meio melancólico.

Disse a melancolia ambulante. Noah amava aquela moto, era a sua garantia de fuga, quando tudo estava ruim ele podia apenas subir em cima dela e dirigir... Não, dirigir não. Pilotar aquela moto para qualquer lugar, sentindo o vento conforme ele atingia velocidades absurdas. Isso dava a ele uma sensação ridícula de liberdade. Mais cedo, naquele mesmo dia, Maxwell saíra para andar com a moto, achando que era um crime deixar ela parada, e descobriu que não conseguia chegar perto das velocidades que Noah atingira.

- Okay, okay, vamos se acalmar e... - Silêncio. A expressão de Max era uma de choque. Ele vira Nymeria Lindberg perambulando os corredores, vira Lennart constantemente deixar a escola. E ambos lhe passaram uma impressão de força. Mas o único, o único que lhe passara uma impressão de invencibilidade fora Noah. Era como se ele não pudesse ser tocado. E ele estava morto. A mão ao redor da cintura de Melissa pareceu pesar um pouco mais, porém não iria machucá-la. O rapaz tremia da cabeça aos pés - Morto? - Ele começou a murmurar logo em seguida, rápido demais para fazer sentido - É o ceifador dele, é bem como ele disse...

Dias atrás, quando a moto lhe fora passada, Noah falou.

- Você pode não acreditar nisso, mas o universo tem um sistema de julgamento, sabe? Você pode fazer a merda que quiser, vá em frente e faça. Ele te incentiva a isso. Mas se fosse exagerar dessa liberdade, ele manda um ceifador atrás de você. E você é condenado a morte. Eu abusei demais da minha, Maxy - Era como ele o chamava. Maxy. Era um apelido idiota - Meu ceifador está vindo.

- Puta que pariu - Maxwell falou, voltando seu olhar para Melissa. Ele estava preocupado. Em seguida voltou seus olhos para Ame - E esse Jacket. Ele ainda está aqui? Ou foi embora?
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Dante Reed
Estudante
Estudante
avatar

Mensagens : 133
Data de inscrição : 05/10/2017
Localização : Windfall

Ficha do personagem
HP:
100/100  (100/100)
Itens:

MensagemAssunto: Re: Quarto do Maxwell   Dom Jul 08, 2018 12:48 am

- Acho melhor se controlar por enquanto, Hanna.

Ele olhou para Max, enquanto o mesmo beijava o pescoço de Melissa. Ele já esperava aquilo. Quando entrara ali e vira os dois bebendo, ele sabia bem como aquilo ia terminar. Na realidade, estava surpreso que os dois não tivessem voltado juntos para a academia ainda. Melissa aparentemente tinha mais controle do que Max, o rapaz não estava escondendo que ele queria Melissa naquele exato momento. Bom, ao menos os dois ficavam bem juntos, não havia um pingo daquela melancolia de antes em Max e nem mesmo aquela inquietude em Melissa. Juntos, ambos ficavam plenos.

- Morreu? - Aquilo doía. Ele não conhecera o rapaz, mas poucos mereciam morrer. A maioria das pessoas merecem uma segunda chances, apenas os casos irreversíveis não podem ser tocados, mas o resto? Todos podem mudar. Ele era uma prova disso.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Hanna Blackwell
Estudante
Estudante
avatar

Mensagens : 153
Data de inscrição : 06/08/2017
Idade : 19
Localização : Academia Blackwell... não, eu não sou parente do fundador nem nada do tipo.

MensagemAssunto: Re: Quarto do Maxwell   Ter Jul 10, 2018 12:04 pm

- Eu vou fazer isso. - ela alegou alegremente, muito embora estivesse afastando o copo de bebida para longe de si mesma. Tão distraída parecia que não havia notado. desta vez, o beijo no pescoço de Melissa. O que era de algo bom, porque ela já estava vermelha o suficiente da cerveja que tomara e do constrangimento de ver os seus dois amigos se pegando.

Ela parecia estar com dificuldade para compreender o assunto levantado a mesa, mas quando Ame disse que Noah havia morrido, os olhos de Hanna se encheram de lágrimas. Provavelmente era mais um dos efeitos da bebida, já que quando Dante mencionara mais cedo que um professor havia morrido num acidente, Hanna apenas sentira-se triste e dedicara uma prece ao mesmo. Ela sequer conhecia Noah Smith, mas acabou chorando por ele.

- Que horrível...
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Natasha Korolenko
Estudante
Estudante
avatar

Mensagens : 34
Data de inscrição : 21/12/2017
Idade : 19
Localização : Windfall

Ficha do personagem
HP:
100/100  (100/100)
Itens:

MensagemAssunto: Re: Quarto do Maxwell   Ter Jul 10, 2018 1:26 pm

Ela, apesar de não ter o conceito de tabuleiro que Edrik possuía, nunca tentara se relacionar com o mesmo. Ele o filho de seu chefe e, apesar de não estar escrito em lugar algum que era algo proibido, certamente Vlad não permitiria isso tão facilmente. Na verdade, Nat tinha certeza de que ele jamais permitiria um envolvimento desse tipo. Portanto, ela se fechara totalmente para o que sentia, tentara esquecer Edrik, tentara até mesmo se interessar por outras pessoas. Mas não conseguia. Aquele garoto era como um imã, toda vez que ele aparecia na frente dela, ela era puxada para ele novamente.

Anos. Ela sonhara com esse momento durante anos. Não conseguia se lembrar exatamente como se apaixonara por Edrik, era algo que estava ali há tanto tempo que se tornara uma parte dela. Mas sabia que ansiara por aquele momento. O imaginara de diversas formas, alguns momentos eram um pouco românticos, outros não. Mas certamente não imaginara que o beijaria pela primeira vez no banco de trás de um carro após um ataque de ciúmes. E o carro nem era dela.


+18:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Nymeria Lindberg
Estudante
Estudante
avatar

Mensagens : 244
Data de inscrição : 26/09/2017
Idade : 18
Localização : Windfall

Ficha do personagem
HP:
100/100  (100/100)
Itens: Espada

MensagemAssunto: Re: Quarto do Maxwell   Qua Jul 18, 2018 12:14 pm

Vlad aceitaria aquilo tão bem quanto aceitaria o relacionamento de Nymeria com Lennart. Ou seja, qualquer tipo de amor que surgisse envolvendo seus filhos teria uma dificuldade a mais para florescer. Vladimir não acreditava no amor, e se acreditara alguma vez, fazia tanto tempo que ninguém ali poderia lembrar. Sua opinião era que amor não passava de uma fraqueza que deveria ser estirpada antes que prejudicasse seu portador. E tanto Edrik quanto Nymeria e mais algumas pessoas próximas a ele também sabiam. Era justamente por isso que o cuidado que tomavam era redobrado: porque um deslizes poderia acabar mal tanto para eles quanto para quem eles amassem.

Edrik não sabia o que atraia-o tanto em Natasha. Ela era seu completo oposto em todos os sentidos. Ele podia nãos ser um santo, mas transparecia calma e paciência, ao passo que a outra era brusca e irritava-se com facilidade. Ele gostava de agir nas sombras enquanto ela simplesmente abria caminho por entre os inimigos. Ele planejava tudo nos mínimos detalhes, e Natasha apenas agia como lhe dava na telha.
Ele não deveria ter deixado seus sentimentos levarem a melhor sobre seu cérebro... mas não poderia dizer que estava arrependido.
Fazia anos que Edrik desejava beijá-la daquela forma.


+18:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: Quarto do Maxwell   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Quarto do Maxwell
Voltar ao Topo 
Página 11 de 13Ir à página : Anterior  1, 2, 3 ... 10, 11, 12, 13  Seguinte
 Tópicos similares
-
» Quarto do Orion
» Quarto de Percy
» Uma noite como outra qualquer
» Orquestra Irônica da Morte (Crônica Oficial)
» Quarto da Ariella

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Windfall City :: Dormitórios :: Dormitório Masculino-
Ir para: